domingo, 23 de novembro de 2008

O chão por onde caminhei



O que trago aqui são memorias, sentimentos, saudades e alguma tristeza.
Sei que não posso mudar a maneira como pensei em determinado momentos, mas posso reparti-la com x ou y, não no sentido de dar-lhe de forma obrigatória a minha tristeza. O mais interessante é que se não fosse esta mesma tristeza eu não daria valor à felicidade nem aqueles momentos banais que parece não mudar nada na nossa vida. Acreditem ou não são esses pequenos passos que nos enchem alma e o peito de ar para que possamos respirar o oxigénio ou de uma forma não metafórica afirmarmos que estamos vivos.

Não sou artista nem poeta sou alguém que usa o papel de um modo necessário para sobreviver a algumas tempestades, muitas vezes cometo o erro de me calar, de guardar trancado a sete chaves um sentimento frio... a tristeza que corrompe a alegria e a vontade de viver, a mera tristeza que nos transforma.

Hoje, apesar de tudo, decidi mostrar-vos as palavras que não são positivas, porém são minhas e por muito que tente apagar certas coisas do meu dicionário mal-amado não poderei fazer-lo, já que muitas vezes olho para ele de modo a compreender o que se passou, são lições de vida, conceitos adquiridos, lutas travadas entre o "eu" e o desistir ou o lutar... muitas lágrimas derramadas por desejar ser criança outra vez, por não querer sentir aquela dor que me assombra interiormente. Hoje olho, observo a beleza de um lugar, de um olhar, de uma palavra pronunciada com sentimentos seja este de ajuda/desespero ou de alegria contentamento.

Sou humana, feita de carne e osso e como tal já fui abaixo algumas vezes, mas também já ajudei pessoas a não desvanecerem por completo, pois elas sentiam que a importância a escala humana era completamente insignificante (eu própria já o senti)...




E eis que chega o fim de semana. Aqueles dois dias em que vamos vendo os dias passar e tomamos consciência de tudo... da pequena distancia que nos separa de um olhar.
Como eu queria ir ver o mar, o céu e as estrelas. Sei que não alcanço nada disto, mas que posso eu fazer, que posso querer ou decidir. Apenas sinto, sou a resistência de um sentimentos, de um grande medo, da minha própria solidão.

Que saudades! Que miserável me sinto. É tão complicado que não sei ao certo como explicar, é incerto, mas tão forte. Chama-se vida, loucura ou devaneios de uma pessoa que vive para o mundo de maneira diferente... Sou aquela pessoa escreve ao ouvir uma musica, que sente vontade de estar sentada no chão e, possivelmente, tenta-lo abraçar como se fosse próximo. Cada pedra da calçada é observada por mim de um modo amigável, pois são elas que permitem que não me vá abaixo fisicamente, pelo menos assim ninguém vê...
cidade desconhecida onde me perco em olhares, onde a vida passa por mim ou anda lado a lado noutro passeio.

21 de Novembro de 2008


As imagens encontrei-as na Internet não são minhas...

bjs

6 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

o seu texto é muito denso, Lili, e requer uma segunda leitura. Voltarei para relê-lo.
Querida;
Publiquei no Blog Galeria sobre 3 versões cinematográficas de Romeu e Julieta: 36, 68, 96. Depois dê uma passadinha no meu outro Blog onde publico sonetos de Shakespeare e outras obras do bardo:
http://poemasscancoes.blogspot.com
Um abraço,
Renata

Betty Branco Martins disse...

.minha __________querida



cheguei aqui ao teu "espaço" vinda do "Profeta"





ao ler o teu texto_______senti desalento e tristeza__________mas







nas entrelinhas______muita ternura. e de alguma forma alguma [des]confiança_______sobre os teus passos futuros


.desejo que o amanhã seja_____seja uma tela colorida. para ti minha querida:))





voltarei se não te importares:))







beijO____C_______carinhO
boa-semana

O Profeta disse...

Sou palavra perdida no silêncio
Gerada no ventre do Mar
Grinalda de perdidos sonhos
O passado do verbo amar

Amei!
Voar na chegada de cada Primavera
Pintar de luz as cores do verão
Pisei o tapete das folhas de Outono
Acendi em cada inverno uma fogueira de paixão


Convido-te ao encontro com o meu “Eu”

Bom fim de semana


Mágico beijo

Nile e Richard disse...

Oi amiga.Gostei do seu texto,forte em expressões e sentimentos.Bom fim de semana para voce.bjtos.Nile.

Paula disse...

Amiga ke negra estás, então minha krida?
É um texto muito pesado para alguém tão jovem e linda.
Pensa no sol
Jokinhas :)

Olha ke eu sou um dos muitos exemplos de ke a vida nem sempre é negra

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Lili:
Postei no Galeria e também no Poemas e Canções:
http://poemasscancoes.blogspot.com
e no Doces Poesias
http://docesspoesias.blogspot.com
Um beijo,
Renata